80% das famílias não têm nenhum apoio para cuidar de seus membros 

Print Friendly, PDF & Email
Rodolflo Canônico, Diretor Executivo da Family Talks

Dos 5,2 milhões de domicílios brasileiros, apenas 17,6% têm condições de arcar com despesas relacionadas ao cuidado ,revela a Family Talks que  “lança documento com soluções no fortalecimento das famílias “

A Pesquisa de Orçamentos Familiares, em sua última edição, mostra que a cada cinco famílias brasileiras, quatro não recebem nenhum tipo de apoio para cuidar de seus membros. Apenas 17,6% têm condições de arcar com despesas relacionadas ao cuidado, desde serviços domésticos, creches e cuidadores de idosos a áreas de lazer e atividades comunitárias. Com foco nas eleições municipais que se aproximam, a ONG Family Talks, lançou uma cartilha com propostas que podem ajudar prefeitos e vereadores a promoverem políticas públicas que fortaleçam os vínculos familiares. 

 Neste ano, os mais de 5 mil municípios brasileiros vão às urnas escolher seus líderes e representantes dos próximos 4 anos. Entretanto, apesar de a família ser um tema comum em debates e peças eleitorais, são poucos os candidatos possuem propostas claras quando se trata do fortalecimento desta instituição.  

 “A cartilha desenvolvida pelo Family Talks reúne estatísticas dos problemas que cercam as famílias, com soluções testadas dentro e fora do Brasil, mostrando-se eficazes. Os eixos abordados são gestão, fortalecimento dos vínculos familiares, proteção da renda familiar e apoio ao exercício do cuidado”, explica Rodolfo Canônico, Diretor Executivo do Family Talks 

 Com objetivo de alcançar pré-candidatos e eleitores, o documento será lançado de forma online no próximo dia 9 de julho, mas já pode ser conferido na íntegra por meio do site: https://familytalks.org/recomenda/. Candidatos à prefeitura de São Paulo, como o Prefeito Ricardo Nunes (MDB) e a Deputada Federal Tabata Amaral (PDT) já foram apresentados às propostas organizadas na cartilha. 

 “O que queremos com este material é não só reforçar a inclusão das famílias no orçamento público, mas apresentar soluções eficazes para viabilizar esse processo. Já nos reunimos com alguns candidatos das eleições municipais que se aproximam e recebemos um feedback positivo quanto ao diagnóstico e possíveis tratamentos que identificamos nesta cartilha”, conta Canônico. 

 Apoio às famílias 

 O enfraquecimento das famílias está diretamente relacionado a uma série de problemas sociais que impactam profundamente a cidade. Por exemplo: um estudo do Grupo Consumoteca mostrou que 61% dos pais brasileiros sentem falta de uma rede de apoio para a criação dos filhos. Esta carência pode se traduzir em uso excessivo de telas por parte de crianças e adolescentes, tornando-os mais vulneráveis a transtornos mentais e comportamentos de risco, maior probabilidade de evasão escolar e uso precoce de álcool e outras drogas. O fortalecimento das famílias, portanto, pode prevenir medidas coercitivas no futuro. Parcela crescente da população, os idosos também podem ser vítimas de abandono: cerca de 70% das cidades brasileiras não têm nenhuma instituição de longa permanência. 

  A atuação do poder público é fundamental para que essas famílias sejam assistidas e assim consigam cumprir seu papel social. “É crucial mobilizar os governos do Brasil para que programas de apoio às famílias estejam disponíveis em larga escala. Nosso desejo é que a promoção seja um pontapé para uma transformação das políticas de cuidado e parentalidade no país”, conclui o Diretor do Family Talks 

 Sobre o Family Talks: É o programa de advocacy da Associação de Desenvolvimento da Família (ADEF) que busca assegurar a proteção especial à família (art. 226 da Constituição Federal) através da atuação junto ao governo e à opinião pública, com a promoção de ações públicas e privadas para o fortalecimento das relações familiares. A ADEF está vinculada à International Federation for Family Development (IFFD), que congrega mais de 200 associações, está em 66 países e possui status consultivo geral na ONU. 

Repórter Brasília, Edgar Lisboa. Fonte: conversa comunicação

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *