Furtos de cabos e vandalismo desafiam integridade da rede elétrica do Distrito Federal

Print Friendly, PDF & Email

CEB Ipes contabilizou mais de 89 km de fiações furtadas em 2023; Plano Piloto e Sobradinho lideram em número de casos

Divulgação/Neoenergia

Os furtos de cabos e atos de vandalismo a postes de iluminação pública comprometem a integridade da rede elétrica da capital e aumentam significativamente os riscos de choques elétricos para a população. Somente ano passado, a Companhia Energética de Brasília (CEB Ipes) contabilizou o furto de mais de 89 km de cabos – um prejuízo estimado em R$ 1,8 milhão aos cofres públicos. Até março deste ano, segundo a empresa, outros 9 km de fiações foram furtados, implicando um gasto adicional de R$ 200 mil para reposição dos materiais.

Hoje, a região administrativa líder em incidência de casos é o Plano Piloto. Foram 270 ocorrências registradas na localidade ao longo do ano passado e outras 50 apenas nos três primeiros meses de 2024. Em seguida, está Sobradinho, com 70 episódios em 2023 e sete neste ano.

Além do prejuízo aos cofres públicos, os ataques à infraestrutura elétrica de iluminação pública da capital representam uma ameaça direta à segurança dos cidadãos | Foto: Lúcio Bernardo Jr/ Agência Brasília

O presidente da CEB Ipes, Edison Garcia, adverte que, além do prejuízo aos cofres públicos, os ataques à infraestrutura elétrica de iluminação pública da capital representam uma ameaça direta à segurança dos cidadãos. “Os criminosos quebram as portas de acesso para manutenção e cortam a fiação. Com o vandalismo, os fios ficam expostos e podem encostar na estrutura de metal, eletrificando o poste”, explica.

Cuidado redobrado

Segundo o tenente Mauro Coimbra, do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), os atendimentos a vítimas de choques elétricos fazem parte da rotina da corporação. “Especialmente em época de chuva, é muito comum atuarmos nesse tipo de ocorrência”, detalha.

O bombeiro afirma que os casos mais graves envolvem situações em que a vítima não consegue se desprender da fonte da descarga elétrica. “O choque pode levar a uma contração muscular. Nessas situações, o ideal é não interferir, pois o risco de receber esse mesmo choque elétrico é imediato”, enfatiza, acrescentando que é preciso acionar o socorro do CBMDF pelo telefone 193.

“Choques podem causar desde uma simples queimadura no ponto de contato até a parada cardiorrespiratória, perda da consciência e queimaduras de grande extensão”, Franklin Pereira dos Santos, chefe de Cirurgia Geral do HRSM

O médico Franklin Pereira dos Santos, chefe do serviço de cirurgia-geral do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), alerta para as diferentes reações que o organismo pode apresentar após um episódio de exposição à energia elétrica: “Dependendo da corrente elétrica, de qual foi a fonte ao qual o paciente foi exposto, a intensidade muda. Choques podem causar desde uma simples queimadura no ponto de contato até a parada cardiorrespiratória, perda da consciência e queimaduras de grande extensão”.

O profissional de saúde afirma que, em caso de choques elétricos, o monitoramento da vítima é imprescindível. “Isso porque a queimadura pode não estar limitada àquele ponto de contato. A energia elétrica percorre todo o corpo do paciente. Um sinal muito comum em casos graves é a urina na cor escura, indicando que houve uma lesão grave no organismo. Trata-se de um reflexo mais grave com repercussão no músculo esquelético e renal do paciente”, acrescenta.

Denuncie

Flagrou alguma ocorrência de furto de cabos ou vandalismo a postes de iluminação pública? Denuncie a prática à Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) pelo telefone 190.

Ao identificar algum ponto de iluminação pública que precisa de manutenção, é importante notificar a CEB Ipes pelos canais oficiais de atendimento: telefone 155, aplicativo Ilumina DF e site.

Repórter Brasília/Agência Brasília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *