Intermediação de mão de obra insere mais de 21 mil pessoas no mercado de trabalho

Print Friendly, PDF & Email

Serviço funciona como ponte entre empregadores e cidadãos; pessoas interessadas podem se cadastrar no app Carteira de Trabalho Digital ou presencialmente, nas agências do trabalhador

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Promover a inserção e reinserção de cidadãos no mercado de trabalho é o principal objetivo do serviço de Intermediação de Mão de Obra (IMO). A iniciativa de âmbito nacional permite que as agências do trabalhador conectem empregadores e trabalhadores, facilitando o encontro entre oferta e demanda e aquecendo o mercado profissional das regiões administrativas e Entorno. No Distrito Federal, o serviço é comandado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda do DF (Sedet).

Israel Lopes (3º à direita) ficou desempregado durante quase dois anos e, após passar pelo programa de qualificação profissional da Sedet, foi selecionado para uma vaga: “Estou me sentindo mais seguro e muito feliz; aqui em casa é só alegria” | Foto: Arquivo pessoal

Os trabalhadores interessados em participar do programa podem se cadastrar no aplicativo Carteira de Trabalho Digital ou presencialmente, em uma das agências do trabalhador. É necessário fornecer informações socioeconômicas e sobre experiência profissional, habilidades e disponibilidade para o trabalho. Os dados são armazenados no sistema e ficam disponíveis para cruzamento com oportunidades de emprego captadas junto a empresas e empregadores parceiros.

Foi assim que o porteiro Israel Lopes, 56 anos, conseguiu alcançar um novo posto de trabalho. Morador de Brazlândia, ele ficou desempregado em novembro de 2022 e, até este ano, conviveu com a insegurança financeira. Nos primeiros dez meses, Israel recebeu o seguro-desemprego, mas, quando o auxílio chegou ao fim, a esposa e o filho caçula tiveram de assumir as contas da casa.

O cenário começou a melhorar após Israel concluir a formação do RenovaDF, programa de qualificação profissional da Sedet. Por meio do curso, ele conheceu a IMO e logo se cadastrou. O resultado foi rápido: em cerca de um mês, foi selecionado para uma vaga de porteiro no Sudoeste. “Estou me sentindo mais seguro e muito feliz; aqui em casa é só alegria”, celebra. “Tudo fica difícil com um chefe de família parado. Eu sentia meus filhos torcendo por mim. Agora, é vida nova”.

Cruzamento de dados

A IMO foi instituída como componente do tripé do programa Seguro Desemprego, junto à qualificação profissional e ao próprio benefício financeiro, em 1990. Já o sistema de cruzamento de dados foi lançado em 2011. Antes, a maior parte dos serviços de intermediação era realizada manualmente pela equipe do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

“Aquecemos a economia do DF com a geração de emprego e renda”, Thales Mendes, secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda do DF, Thales Mendes, explica que o grande diferencial da IMO é o diálogo com o setor produtivo, em que os servidores da pasta visitam os estabelecimentos comerciais para oferecer a intermediação. Com o efetivo cadastro no sistema, a vaga fica disponível em todas as agências do trabalhador, além do app Carteira de Trabalho Digital e o portal Emprega Brasil.

Segundo Mendes, as agências do trabalhador dispõem de gestores de recursos humanos e psicólogos para orientar os cidadãos sobre como agir nas entrevistas, além de oferecerem salas e auditórios, com acesso a computadores, para a promoção de entrevistas e reuniões. “É muito vantajoso tanto para o empresário quanto para quem procura uma recolocação”, afirma o gestor. “Aquecemos a economia do DF com a geração de emprego e renda”.

O secretário ressalta que as ações surtem efeito no preenchimento dos postos: “Antes, eram encaminhadas três pessoas para cada vaga, e nenhuma preenchia os requisitos. Hoje, seguimos com esse número de encaminhamentos, mas conseguimos ocupar as vagas com mais assertividade”.

No mercado

O subsecretário de Atendimento ao Trabalhador e Empregador da Sedet, Ilton Teixeira, reforça que o principal objetivo do serviço é inserir o cidadão no mercado. Dessa forma, além de promover o cruzamento dos dados da pessoa com os das vagas, para verificar compatibilidades, a Sedet mantém contato com o empregador do cadastro até o final do processo seletivo, a fim de verificar a eficiência no preenchimento ou a necessidade de reabertura.

“Nosso atendimento é humanizado”, diz Ilton Teixeira. “Temos treinamento e capacitações continuadas com os servidores para que possam prestar um atendimento de excelência. A pessoa chega aqui e é cadastrada no sistema, mas também é indicada para algum curso de qualificação, como o RenovaDF ou o QualificaDF, e em muitos casos, pode receber a Cesta do Trabalhador.”

“Se o candidato estiver dentro do perfil estipulado pelo empregador, ele será encaminhado para entrevista”, Ilton Teixeira, subsecretário de Atendimento ao Trabalhador e Empregador

A Cesta do Trabalhador fornece uma cesta básica por até três meses, além da oferta de requalificação profissional para que os cidadãos voltem ao mercado de trabalho. “Se o candidato estiver dentro do perfil estipulado pelo empregador, ele será encaminhado para entrevista”, indica Teixeira.

Conforme define o subsecretário, o serviço funciona como um “RH 100% gratuito” para as empresas. “Em vez de terem custo como uma antessala para fazer processo seletivo e contratar um RH particular, as empresas podem utilizar nossas salas, que estão preparadas para isso”, explica.

Ponte entre empregador e empregado

Juliana Santos, gerente de recursos humanos: “Um dos pontos mais importantes da parceria com as agências do trabalhador é o alcance das vagas, a divulgação” | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Desde 2019, foram captadas 97.112 vagas, das quais 21.357 foram ocupadas por trabalhadores com apoio da IMO. De janeiro a março deste ano, houve a captação de 6.810 vagas, mais do que o dobro registrado no mesmo período do ano passado, quando se registraram 3.250 oportunidades. As empresas varejistas e atacadistas são as que mais oferecem novas chances profissionais.

É o caso da rede de supermercados Dona Mercado, Hortifruti e Adega, que, por intermédio da Sedet, contratou mais de 500 pessoas em 2023. Neste ano, mais 80 funcionários entraram para a empresa. Os principais cargos não exigem experiência e destinam-se a áreas operacionais, com vagas para repositores de mercadorias, fiscais e operadores de caixa, padeiros, açougueiros, fiscais de depósito e motoristas, entre outros profissionais.

“Um dos pontos mais importantes da parceria com as agências do trabalhador é o alcance das vagas, a divulgação; quanto mais a gente puder ter acesso a essas vagas, melhor a qualidade dos profissionais que trazemos para o Dona”, defende a gerente de recursos humanos da marca, Juliana Santos. “Os candidatos recebem uma carta-convite para o processo seletivo, que é feito em um dos nossos escritórios ou em uma agência do trabalhador, com uma equipe nossa.”

Dentro da instituição, o funcionário pode galgar novos cargos e funções. “Um dos nossos pilares é o respeito e a empatia”, valoriza Juliana. “Então, quando o profissional chega aqui, mesmo que não tenha experiência, ele recebe um treinamento específico e temos processos internos em que ele pode mudar de vaga, tanto hierarquicamente quanto no mesmo nível”.

Oportunidades

Ailton de Souza, que começou a trabalhar com apoio da Sedet e já abriu três padarias, recomenda: “Sempre digo para minhas filhas e para todos que conheço para não deixarem oportunidades irem embora” | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Pequenas empresas também têm acesso ao serviço de intermediação. O padeiro Ailton da Silva Souza, 49, abriu a terceira padaria neste ano e contratou um profissional para a produção de pães e doces com apoio da Sedet. O processo seletivo foi simples: após cadastrar a vaga, Ailton recebeu indicações de trabalhadores e agendou entrevistas na padaria recém-inaugurada, em Planaltina. Os outros dois estabelecimentos ficam em Sobradinho e no Arapoanga.

“Estava passando por uma barra pesada, porque a produção aumentou e eu estava sozinho”, lembra. “Procurei a Agência do Trabalhador para achar esse novo funcionário, porque foi lá que minha história começou.” Goiano, Ailton chegou ao DF na década de 1990 para prestar serviço militar. Em 1999, saiu do quartel e fez o curso do Panifica DF, pelo qual se tornou padeiro, salgadeiro e confeiteiro. Em seguida, conquistou um posto na área por meio do equipamento público.

Ailton afirma que as oportunidades de qualificação e de colocação no mercado profissional mudaram a vida dele e da família. “Sempre digo para minhas filhas e para todos que conheço para não deixarem oportunidades irem embora”, relata. “Se conseguiu, agarre, abrace, faça dar certo. Hoje, com 1 kg de farinha eu faço 25 pães. Vendo cada um a R$ 1 e consigo comprar mais farinha para fazer mais. A vida é assim, temos que seguir em frente”.

Espaços

O Distrito Federal reúne 14 unidades das agências do trabalhador, uma das quais funciona de modo itinerante. As demais estão situadas em Brazlândia, Ceilândia, Estrutural, Gama, Itapoã/Paranoá, Planaltina, Plano Piloto, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião e Sobradinho. Novas unidades estão em fase de implantação no Arapoanga, Sol Nascente/Pôr do Sol e mais uma no Plano Piloto, sendo esta dedicada a pessoas com deficiência (PcD).

‌Desde 2019, as 11 unidades passaram por manutenção e reforma da estrutura física, com ampliação dos serviços ofertados. Nos locais, é possível encontrar orientação para emissão da versão digital da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), solicitar seguro desemprego, inscrever-se em cursos de qualificação e no programa Cesta do Trabalhador, entre outros serviços, também disponibilizados na agência do trabalhador itinerante. Os espaços físicos dispõem ainda de salas e auditórios para a realização de processos seletivos presenciais ou online.

“Como não cobramos experiência, contratamos pessoas que estão começando no mercado de trabalho”, Cláudio Alberto Ferreira, consultor de treinamento

A rede de restaurantes McDonald’s também utiliza a IMO para encontrar novos funcionários. Segundo o consultor de treinamento do franqueado da marca, Cláudio Alberto Ferreira, o suporte facilita a triagem dos novos funcionários. “Nós cadastramos as vagas e eles fazem todo o recrutamento, selecionando conforme a idade e o local em que as pessoas moram”, explica. “O ideal é que seja perto da unidade, até para facilitar o deslocamento. E, como não cobramos experiência, contratamos pessoas que estão começando no mercado de trabalho”.

O último recrutamento para uma equipe da empresa foi feito no auditório da agência do trabalhador da Asa Norte. Cerca de 30 pessoas foram convocadas para o processo seletivo, que preencheu 20 vagas de atendente. “O local é muito confortável, dando uma boa experiência para o candidato, e ainda fica em uma área central, de fácil acesso, além de ser mais prático para a gerência dos restaurantes”.

Repórter Brasília/Agência Brasília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *